domingo, 7 de dezembro de 2008

Lembranças

São Leopoldo ERA a cidade da noite. ERA, quando reinava por estas bandas, para deleite dos baladeiros, o Manara Bar, o Expresso 356 e outras casas noturnas que não me lembro o nome. Mas ERA. E hoje, como é lembrada São Leopoldo? Pela briga e morte de integrantes de torcidas (des)organizadas do futebol? Pela mortandade de peixes do Rio dos Sinos? Pelo relato do secretario da cultura que diz que os artistas da cidade não receberam seu cachê por sua atuação na São Leopoldo Fest 2008 (em julho) por falta de apresentação de documentos para o recebimento do devido cachê, sendo que estes documentos são entregues por uma produtora que haje como "guarda-chuva" para estes valores (o que mostra uma total desorganização da Secretaria da Cultura e da prefeitura municipal em relação aos seus artistas)? Pelas lojinhas de R$ 1,99 que se acumulam em qualquer ponto e pelo crescimento desenfreado de estacionamentos privados que literalmente destroem nosso patrimonio arquitetonico histórico cultural? É isso? Não, não é assim que eu quero que a cidade seja lembrada. E vendo meu peixe: gostaria que a cidade fosse lembrada por sua cultura artistica. E para isto faço minha parte.
Pessoalmente (ás vezes recebendo $ por isso, ás vezes não), atuo como um "ativista cultural", levando, principalmente teatro, para vilas, ruelas, igrejas e botecos interessados. Vez por outra, quando de um incentivo maior feito o SESC, fecho a rua São Caetano e ajudo a produzir um grande evento com musica, poesia, cinema e liberdade de espressão (sem receber $ por isso). E qual o resultado? Criticas! Por que há em São leopoldo uma necessidade de criticar, de se fazer critico. Nunca, em todo o tempo que atuo como "ativista cultural", vi tamanha necessidade de criticar como esta atual em São Leopoldo. Tem gente criticando a propria critica. Tem gente que não sabe o que quer e por não saber o que quer, critica o que pode vir. O que é uma pena pois São Leopoldo ficou muito tempo sem iniciativa cultural e agora quando tem uma é abafada por estas criticas incabiveiis e desnecessárias.

Outro dia ouvi dizer que a Livraria do Trem é lugar de pseudo-intelectuais. Pseudo-intelectuais? E onde é que se concentram os intelectuais? No Bar do André? Na Embaixada do Rock? No Mack Bar? Na Unisinos? Numa boa, vão á merda todos estes que se preocupam em criticar e pouco sabem o que sai de seus cus.

Conversando com Elário Casper, maquiador de Novo Hamburgo (que inclusive fez um bélissimo trabalho na esquete "O Passáro de Vôo Curto", com texto de Alcione Araújo e representado pelo Teatro Luz e Cena no festival de esquetes de São Leopoldo. Aliás, você sabia que teve um festival de esquetes teatrais em São Leopoldo?), discutiamos que São Leopoldo agora precisa construir uma politica de público para seus eventos, uma vez que temos um espaço, o Teatro Municipal. Mas não adianta. A julgar pela repercussão que teve o nome dado á uma esquina da cidade, somos, e sempre seremos, uma cidade de prepotentes que não fazem nada por sua própria cidade, por sua própria arte, por seu próprio público.
Então vamos criticar? Não! Quer criticar ajude á construir. Ou cala-te e ajude, simplesmente, á observar.

Do mais, concordo com Éver Ribeiro de que devemos fechar sempre a São Caetano para novos eventos com o apoio incondicional da Livraria do Trem, que, mesmo tendo que vender cerveja para continuar funcionando, apóia e celebra como poucos a cultura artistica desta cidade. É preciso mais do que nunca nos esforçar-mos para o fomento da arte, principalmente popular, em São Leopoldo.

Se não, seremos lembrados pelo que?

Um comentário:

Éver disse...

Perfeito, cara! Só não concordo quando dizes que a crítica é algo ruim. Se as pessoas criticam é pq se importam de alguma forma... E isso que precisamos: pessoas que se importem.

Claro que nem todas críticas serão construtivas, nem com um mínimo de fundamentação... Mas ainda assim, talvez sejam válidas mesmo que só pra gente começar a sacar quem é quem nesta historia toda.

Parabéns (ao Manifesta) pelo Farândola ! Que siga em frente!